Foto: Assessoria de imprensa

Quando a pandemia deu início, o trabalho de pastores, padres e líderes religiosos em geral aumentou bastante, pois cumprindo a missão, seus fiéis precisaram de muito mais amparo.
As pessoas vivendo o luto, a ansiedade, o desemprego, precisam da fé para manter-se perseverantes em seu dia-a-dia, as famílias, durante o isolamento, sentem necessidade de orientação e acolhimento.
Foi considerando estas situações que o vereador Marcos Paulista (PTB), em 2020, protocolou pela primeira vez o projeto de lei que estabelecia as igrejas e templos como atividades essenciais, projeto tal que encontrava respaldo no artigo 5° da constituição e no decreto presidencial10.292 de 25 de março de 2020, porém foi reprovado na gestão passada, ainda nas comissões, impedindo que o projeto fosse votado.
Protocolado novamente em 2021, o PL 04/2021 foi aprovado em primeira e única com as congratulações dos demais vereadores, “quero ressaltar aqui que ainda no ano passado, o Conselho de Ministros Evangélicos levou um Plano de Contingência para a gestão anterior no início da pandemia e até hoje estão cumprindo”, explica o vereador Paulista, “mais o serviço voluntário que eles prestam, eles são fiscalizadores do município, a população já reconhece o trabalho deles como serviços essenciais, este projeto apenas garante o reconhecimento da lei”, conclui.

Foto: Assessoria do Vereador
Foto: Vereador Marcos