Foto: Reprodução

A Polícia Federal apreendeu cerca de 500 kg de cocaína no avião de uma empresa privada ligada ao lobista Rowles Magalhães Pereira da Silva, que ficou conhecido por denúnciar um esquema de propinas nas obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). A droga foi encontrada na última terça-feira (10), no Aeroporto Internacional de Salvador (BA).

De acordo com a PF, a droga estava escondida em um jato que seguiria para a Europa. Durante o trajeto, a aeronave apresentou uma pane e o piloto precisou fazer um pouso de emergência na capital baiana. No terminal, os mecânicos inspecionaram o equipamento e acabaram encontrando parte da droga.

Com o auxílio de Peritos Criminais Federais e de cães farejadores da Polícia Civil, foram localizados outros esconderijos, onde estava o restante da droga. A droga foi encaminhada à Superintendência Regional da Polícia Federal, para onde também foram conduzidos os tripulantes, a fim de prestarem depoimento. No total, foram 578 quilos.

A defesa do lobista, contudo, afirma que a empresa de Portugal ainda não pertence a Rowles. Segundo ele, a negociação ainda está com contrato de intenções.

VLT

Rowles Magalhães já esteve envolvido em outro escândalo no Estado. Ele é apontado como o “lobista” que ajudou o Governo do Estado a “viabilizar” o VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) em Cuiabá e Várzea Grande.

Ele ainda foi o responsável por “denunciar” as supostas fraudes nas obras do modal ao Portal UOL. Com base nas informações dele, o site fez diversas reportagens denunciando esquemas na licitação e na execução das obras do modal.

A informação consta do inquérito da Polícia Federal que serviu de base para a deflagração na manhã desta quarta-feira da “Operação Descarrilho”, que investiga fraudes no processo de licitação para escolha da empresa que implantaria o VLT.